domingo, julho 02, 2006

Hoje apeteceu-me


Hoje apeteceu-me escrever um poema
Como quem olha para a vida e a descobre pela primeira vez
E se espanta por ela ter sempre ali estado apesar de nunca à nossa espera

Hoje quis escrever um poema
Como quem quer a sorte que nunca teve e nunca procurou
Mas sabe que está proibido de o fazer sem antes percorrer o caminho

Hoje sonhei que escrevera um poema
Como quem acorda e não sabe se sonhou se viveu
Ou se sequer está acordado para o poder ter sonhado

Hoje pensei escrever um poema
E quase que o escrevia…

Mito, 2 de Julho de 2006

2 comentários:

Graça disse...

O que é certo é que encontraste uma belíssima forma de "quase dizer" como o incontecido supera o real. Embora tenha de concordar contigo - os quase-poemas, os que estanos condenados a criar, por melhores que sejam, nunca são "os poemas", os que queríamos escrever.

Beijinho.

romã disse...

Bonito texto..nem todos somos poetas, mas não interessa. Interessa que consigamos ir escrevendo o que sentimos. E o que queriamos sentir e o que queriamos não sentir. Enfim.